Nas apresentações da trupe, que também aceita divulgação como forma de pagamento, o espectador escolhe o valor do ingresso

Democratização do acesso à arte. Esse é o objetivo da Trupe de Teatro Ave Lola, de Curitiba, ao adotar a política do Pague Quanto Vale para todos os dias de apresentação do espetáculo Nuon, que segue em temporada na capital paranaense até o dia 1º de maio. O sistema consiste em deixar que, ao final do espetáculo, o público contribua com o que pode ou deseja pagar pelo trabalho exibido.

“Essa iniciativa tem servido a alguns fins. O principal deles é dar ao público a condição de ver o espetáculo, independentemente de suas possibilidades financeiras. Antes da apresentação, explicamos que o pagamento pode ser feito de inúmeras maneiras. Aqueles que sentem que a peça vale mais do que podem pagar, são convidados a contribuir na divulgação e na difusão da obra entre os amigos”, conta a diretora do grupo, Ana Rosa Tezza.

Outro grande objetivo do Pague Quando Vale é promover ao público a oportunidade de reflexão sobre o valor da obra teatral e da manutenção de uma pesquisa contínua. “Queremos estimular as pessoas a valorarem as atividades artísticas e instigá-las a uma reflexão importante para o amadurecimento da sociedade e a valorização da cultura”, acrescenta a diretora.

“O que custa e quanto vale ter na paisagem artística da cidade de Curitiba uma trupe e um espaço independentes?”, provoca Ana. Segundo ela, essa simples pergunta pode levar a questões ainda mais profundas, tais como porque se faz necessário manter grupos independentes de arte na cidade, qual o seu papel e qual a responsabilidade da sociedade civil no desenvolvimento desses espaços e grupos. “Esperamos todos vocês em nosso espaço, para se divertirem e nos ajudarem a buscar essas repostas”, convida ela.

 

Nuon
O espetáculo Nuon é apresentado todas as quintas e sextas-feiras, às 20h, e sábados e domingos, às 19h, no Ave Lola Espaço de Criação (Rua Portugal, 339 – São Francisco). A peça traz ao palco a temática dos refugiados de guerra, tendo como pano de fundo o assassinato em massa promovido pelo regime do Khmer Vermelho no Camboja, durante a década de 70. A história, inspirada em fatos vividos há cerca de 40 anos, se mantém atual diante dos conflitos e dificuldades que hoje assolam outros países, como Síria, Afeganistão e Sudão.

A história acontece em uma única noite, durante uma celebração em que no mundo budista os ancestrais são homenageados. Personagens que viveram sob o regime cruel do Khmer Vermelho voltam para revisitar sua terra e suas memórias. Em especial, a peça gira em torno da personagem inspirada em Phaly Nuon, cambojana que se dedicou a salvar outras mulheres dos traumas físicos e emocionais gerados pela tortura, fome e outras mazelas dos campos de trabalhos forçados.

Outro destaque da Ave Lola é a gastronomia, sempre presente nas atividades do grupo. Um delicioso prato cambojano é servido na cozinha do espaço, antes e depois das apresentações, incluindo uma versão vegana.
Fotos: Maringas Maciel

SERVIÇO
Espetáculo Nuon (extensão da temporada)
De 7 de abril a 29 de maio
Quintas e sextas: às 20h
Sábados e domingos: às 19h
Local: Ave Lola Espaço de Criação
End.: Rua Portugal, 339 – São Francisco
Ingressos: Pague Quanto Vale

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO
Gênero: Drama
Direção, dramaturgia e texto: Ana Rosa Tezza
Direção de produção: Ailén Roberto
Elenco: Evandro Santiago, Helena Tezza, Janine de

Campos, Marcelo Rodrigues e Regina Bastos
Música: Mateus Ferrari
Músicos: Mateus Ferrari e Breno Monte Serrat
Plástica do personagem e máscaras: Maria Adélia
Iluminação: Beto Bruel e Rodrigo Ziolkowski
Figurino: Eduardo Giacomini
Cenário: Fernando Marés
Assistente de produção: Dara van Waalwijk van Doorn e Jamilsa Melo
Parceiro de trajetória: Mozart Machado
Cozinha Ave Lola: Laura Tezza
Criação do espetáculo: Ave Lola Trupe de Teatro
Realização: Ave Lola e as Meninas Produções Artísticas

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *